Equipamentos

Em qualquer atividade avícola, por mais rústica que seja, os equipamentos são fundamentais.

Todos os equipamentos devem fazer parte integrante de uma granja, mesmo sendo ela de frangos caipira. O importante é adequar-se as condições existentes, com investimentos necessários afim de obter a produtividade satisfatória.

Os equipamentos necessários para o galpão de frangos caipira constam essencialmente de comedouros, bebedouros, circulo de proteção, termômetro e campânulas. Outros equipamentos acessórios ao bom manejo são uma bomba costal de pulverização, caixas para transporte dos frangos, entre outros.

Cama do Aviário

A cama de um aviário é um importante fator que interfere nas condições sanitárias e no bom desenvolvimento do lote. Mesmo sendo uma ave mais rústica, o frango caipira também necessita de cama de boa qualidade. O material usado para forrar o piso do galpão deve ter uma camada de 3 cm de altura no verão e de 5 cm no inverno. A finalidade da cama é impedir que a umidade do chão e das fezes passe para as aves e também, evitar a formação de calos no peito e nos pés das aves que irão depreciar as carcaças quando forem para a comercialização.

Em função da dificuldade de aquisição de materiais para ” cama “, usam-se variados esquemas, sendo o mais comum o que segue:

  • Uso de maravalha ou cepilho de madeira em todo o aviário
  • No circulo de proteção: sempre cama nova
  • A cama reutilizada sofre queima e requeima das penas com ” vassoura de fogo”.
  • A cama reutilizada sofre tratamento com cal ( 1 saco de 8 Kg para cada 120 m² de área )
  • A cada 6 meses, retirada total da cama, limpeza e desinfecção geral das instalações.

Podemos usar os seguintes materiais:

  • Maravalha;
  • Sabugo de milho picado;
  • capins secos;
  • casca de arroz;
  • casca de café;
  • além de outros materiais absorventes.

Uma cama de boa qualidade deve apresentar as seguintes propriedades:

  • Uma excelente capacidade de absorver a umidade, evitando o empastamento da mesma
  • Baixa condutividade térmica (Bom isolamento do piso)
  • Partículas de tamanho médio
  • Liberação rápida de umidade
  • Umidade por volta de 20 a 25%
  • Livre de substâncias indesejáveis (fungos, toxinas, etc.)
  • Fácil disponibilidade
  • Baixo custo

Obs: A cama contaminada pode trazer sérios prejuízos ao criador.

Circulo de proteção

Circulo de proteção e campânulas sempre estão relacionadas em manter os pintos caipira dentro da temperatura ideal, aproximando da sua zona de conforto.

O circulo de proteção como o próprio nome diz, tem funções básicas de proteger os pintinhos da corrente de ar, de predadores e ainda delimita a área mais próxima possível da fonte de aquecimento e dos comedouros e bebedouros servidos a estas aves. Pode ser feito com chapas de Eucatex ou Duratex, de compensado com 60 cm de altura, por serem mais viáveis economicamente. Não se descarta a possibilidade de utilizar-se chapas galvanizadas ou mesmo folhas de papelão grosso, que tem a vantagem de ser mais higiênico devido o seu descarte após o uso. No caso de reutilizar os materiais de um ciclo para outro, deve-se realizar a desinfecção adequada.

O tamanho do circulo de proteção ideal na chegada dos pintinhos caipira é de 7 m² para cada 500 pintos, ou seja, 60 a 70 pintos/m². Este tamanho do circulo deverá ser aberto diariamente, para que as aves caipira estejam completamente soltas no aviário por volta dos 14 a 18 dias de idade.

img-circulo-de-protecao

Campânulas

As campânulas são equipamentos utilizados para aumentar a temperatura no aviário, tentando melhorar a zona de conforto dos pintinhos caipira nas primeiras semanas de vida.

Tanto os pintos caipira como nas poedeiras, necessitam de aquecimento nos primeiros 10 a 12 dias de idade , dependendo da temperatura ambiente. Normalmente as fontes de calor artificiais usadas são: Campânulas à gás (Aquece 500 a 1000 pintinhos ); elétricas; lâmpadas infra-vermelha ( Aquece até 300 pintinhos caipira ) ou até mesmo a lenha

As campânulas que usam carvão como fonte de calor devem ser evitadas, ou quando usadas sempre ter cuidado para que haja renovação do ar no galpão, pois o carvão expele gases (Dióxido de carbono) tóxicos para os pintinhos.

Obs: Pintos caipira que usamos o circulo de proteção e campânulas desde o 1° dia e recebem aquecimento Ideal de 30 a 32° c na primeira semana aumenta a uniformidade; melhora o ganho de peso; diminuí a porcentagem de refugos e diminui a mortalidade nos primeiros dias de vida .

Bebedouros e Comedouros

O uso correto dos bebedouros e comedouros tanto para pintos, como para frangos são de suma importância para um bom resultado zoo-técnico para as aves

img-equipamentos-bebedouros

BEBEDOUROS

Nos primeiros 10 dias são usados para os pintos caipira os bebedouros tipo copo de pressão, na quantidade de 01 para cada 60 pintinhos. Se o bebedouro for pendular (automático), usa-se 01 para cada 100 pintos caipira na fase inicial e de 01 para cada 80 frangos caipira na fase adulta.

Se o bebedouros for tipo calha deve-se usar em torno de 4 cm/ave. Da mesma forma que os comedouros, também os bebedouros podem ser fabricados com canos de PVC, calhas usadas e até bambus. Deve-se dar preferência pelos bebedouros de fácil higienização.

Deve-se dar atenção especial para que os bebedouros não ocorram vazamentos com o objetivo de não molhar a cama ou produzir poças d´água nos piquetes.

Os bebedouros dos frangos caipiras devem ser regulados a cada 10 dias, devendo ficar a uma altura de 5 cm acima do dorso das aves, evitando-se assim problemas com cama molhada.

Água limpa, fresca e pura deve existir em quantidade suficiente, pois a sua eventual falta pode provocar perdas significativas no desempenho do lote de frangos caipira.

COMEDOUROS

O frango caipira ao contrário do frango de corte tradicional, necessita, depois dos 30 dias, de dois tipos de comedouros, um para ração comercial e outra para ração alternativa. O processo de alimentação desta ave, nos primeiros 10 dias é tradicional. Usam-se comedouros tipo bandeja ou comedouros tubulares infantis, que são gradativamente substituídos por comedouros adultos.

Para os primeiros dias de criação, use um comedouro tubular infantil para cada 60 pintos caipira, posteriormente, forneça um comedouro tubular adulto para cada 35 frangos caipira. Nos comedouros tipo calha deve-se dar um espaço de 2,5 cm/ave quando pintinhos, e aumentar para 8 cm/ave quando estiverem adultos. Os comedouros tipo calha podem ser de fabricação caseira, com materiais reaproveitáveis existentes na propriedade, com canos de PVC cortados ao meio, caixas de madeira e até mesmo bambu, de preferência com 01 metro de comprimento.

Quando são usados comedouros tubulares comerciais ou mesmo de fabricação caseira, é desejável que a borda do prato tenha a altura do peito do frango caipira, acompanhando seu crescimento regulamos a sua altura, evitando assim desperdício de ração.

Obs: Os comedouros devem ficar regulados, não permitindo a entrada de pintos caipira, evitando assim contaminação da ração com as fezes e desperdício de ração.

img-equipamentos-comedouros

NINHOS

Os ninhos poderão ser de madeira ou metal. São usados para poedeiras criadas em piso destinadas para postura de ovos, evitando que as aves botem na cama. Os ninhos para postura de ovos devem ser colocados em até 3 linhas sobrepostas nas paredes da cabeceira e no fundo do galinheiro. Nesse lugar elas se sentem seguras e sem serem incomodadas.

A colocação de cama nos ninhos tem a finalidade de reduzir a porcentagem de ovos sujos e quebrados. O material pode ser o mesmo utilizado no piso do galpão e deve ser colocado em uma camada de 5 cm. A cama dos ninhos deverá ser reposta semanalmente, pois as galinhas ao sair as retiram. A cada 15 dias estas camas devem ser trocadas.

Quando houver alta incidência de piolhos na granja, devemos trocar a cama dos ninhos para postura de ovos e polvilhar inseticidas em cada boca de ninho.

img-equipamentos-ninho
img-equipamentos-gaiola
COMO FAZER O NINHO
  • A quantidade ideal é de 01 boca de ninho para cada 4 galinhas, ou seja 250 ninhos para postura de ovos para cada grupo de 1000 poedeiras.
  • Construa os ninhos nas seguintes dimensões: altura 35 cm, largura 35 cm e profundidade 35 cm.
  • Feche o fundo dos ninho.
  • Feche apenas a parte inferior da frente do ninho. Esta operação deve ser feita com uma tábua de 10 cm, de forma que fique um acesso ao interior do ninho de 25 cm. A tábua deve ser colocada para impedir que a cama e os ovos caiam do ninho com o movimento de entrar e sair das galinhas.
  • No sistema mais rústico pode adaptar caixas de tomate feitas de madeira.
  • Coloque os poleiros na frente dos ninhos, facilitando o acesso das galinhas aos ninhos.

Em criações mais profissionais podemos criar as galinhas no sistema de gaiolas no sistema de baterias. São feitas de arames soldados nas juntas e possuem a base inclinada para permitir que o ovo recém posto, role naturalmente até a borda, na frente da mesma, onde será recolhido.

A dimensão de cada gaiola são de 50 cm de largura com 45 cm de profundidade e geralmente são unidas 4 gaiolas, formando um conjunto de 2 metro de largura. No entanto, no mercado atualmente existem gaiolas de diversas dimensões. O espaço ideal é de 380 cm² a 400 cm² por ave.

Existem inúmeras pequenas indústrias caseiras de gaiolas nas várias regiões avícolas Brasileiras e é interessante fazer uma visita a estas indústrias para verificar a viabilidade de construí-las na própria granja ou compra-las prontas.