Pastos e Piquetes

Os pastos e piquetes são um ponto forte na criação do frango Caipira, pois esta ave tem o hábito de pastar. O alimento plantado deve ser com altos teores de proteína, boa digestibilidade, grande taxa de rebrota, já que os brotos fornecidos às aves devem ser novos e tenros. As folhas velhas e fibrosas são de baixa qualidade, sendo recusadas naturalmente pelas aves.

Os capins e gramas mais usados para piquetes são os mais proteicos, como o Capim Quicuiu, o Capim Napier, o Capim Coast-Cross, o Capim Tiffiton, a Grama Estrela Africana e outros. Antes de formar o pasto deve-se avaliar a fertilidade e a drenagem do solo, para assim poder tomar a decisão que proporcionará os melhores resultados.

Os piquetes já foram muito utilizados no começo da avicultura comercial no Brasil . Existem registros na literatura que em 1937 já se faziam piquetes para criação de aves comerciais, tanto de corte como de postura.

No Sistema de criação do Frango Caipira procura-se resgatar esta técnica com grande sucesso. Tendo o piquete papel fundamental neste estilo de criação, já que a ave tem o hábito e a necessidade de pastar. Cercados com telas de arame, bambu, madeira, alvenaria ou mesmo pré-fabricados podem ser utilizados, tomando o cuidado para as cercas terem aproximadamente 1,80 m de altura, recomendando-se a área de 3 m² por ave alojada.

Não esquecer que árvores devem ser plantadas nos pastos e piquetes e ao redor dos aviários para obtenção de sombra em abundância. Não pode existir poças d’água, lixos, entulhos e dejetos de animais nos piquetes.

Levando-se em conta a qualidade do solo, pode-se optar pelo plantio de um único tipo de grama ou da conservação de duas ou mais espécies. Uma alternativa interessante é construir um sistema de piquetes que permita o sistema rotativo de pastagens, proporcionando períodos de descansos para cada piquete.